Não é de hoje que os felinos ganharam espaço em nossas vidas e também em nossas casas. Aliás, não só já faz tempo que essa relação de estimação existe, como agora os felinos já estão praticamente ultrapassando o número de cães dentro dos lares, sabia?

Seja pelo temperamento, seja pela maior independência e comportamento da espécie, o fato é que os bichanos ganharam o coração das pessoas e começaram a fazer parte dos lares no Brasil e em todo o mundo. Apesar de nem todo mundo ser fã desses peludinhos, quem é adepto a eles sabe quão difícil é gostar, mas ter alergia a eles, não é mesmo?  E você sabe o que é essa alergia e o que fazer para contorna-la?

A alergia pode variar de pessoa para pessoa e a intensidade dos sintomas também. Enquanto algumas pessoas experimentam apenas um nariz “entupido”, outras quase não conseguem respirar perto de um gato. Ao contrário do que muita gente pensa, a causa dessa alergia não é o pelo do gato, mas sim uma proteína encontrada na saliva, secreções e pele. Mas claro, em decorrência do hábito do gato se lamber, ele acaba transferindo essa proteína da saliva para o pelo. E não adianta, todos os gatos produzem essa proteína em maior ou menor quantidade. A diferença é que gatos de pouco pelo, se lambem menos e tem menos pelo para alojar essa proteína, então causam menos reações alérgicas nos seus pobres humanos.

Agora, sabemos que apesar de ser muito incômodo ficar espirrando a todo momento, nenhum dono de gato quer se livrar do seu pet, e a boa notícia é que nem precisa fazer isso. Algumas dicas de cuidados simples dentro de casa podem ajudar na convivência entre vocês. Em primeiro lugar, saiba que a culpa não é do gato, ele não faz isso por mal, mas o seu organismo acaba reconhecendo aquela proteína do “banho do gato” como sendo um agente ruim, e aí o seu corpo acaba exagerando.

 

A sorte é que apenas 10% da população sofre com essa alergia.

Mas se você faz parte dessas pessoas não muito privilegiadas, não se preocupe, vou te ajudar. Anote as minhas dicas:

  • Deixe um espaço reservado ao qual o gato não terá acesso de jeito nenhum, preferencialmente locais ao qual você passará muito tempo, como o seu quarto por exemplo.
  • Não permita que seu gato suba na sua cama.
  • Lave as roupas de cama com mais frequência que o normal.
  • Evite colocá-lo muito próximo ao seu rosto, evite beijos e carinhos mais próximos.
  • Tenha um aspirador em mãos.
  • Dê banhos com frequência no bichano.
  • Peça que alguém escove seu felino sempre, evitando muitos pelos soltos pela casa.

 

Com todas estas dicas fica mais fácil viver livre de alergias. E se você é um fã dos bichanos, aí vai uma boa notícia: cientistas já descobriram a proteína responsável por causar todo este transtorno e já estão desenvolvendo medicamentos para evitar a alergia nos seus donos, ou seja, a cura está a caminho. Bacana, não é mesmo?

 

Larissa Salles Teixeira

CRMV/PR 11718

Cornélio Procópio – PR

635 Visualizações

Veja também:

Meu-gato-comeu-um-rato-envenenado-–-o-que-fazer
Meu gato comeu um rato envenenado – o que fazer?
Dia-da-Mulher-Uso-de-anticoncepcional_site
Uso de Anticoncepcionais em Pets. Vale a pena?
QR Code Business Card

Pin It on Pinterest