Bigodes, apesar de lindos e do charme todo, eles têm sim uma função bastante específica.
Você sabe para que eles servem e como cuidar destes acessórios tão graciosos?

O que são?

Na verdade, são chamados de vibrissas todos estes pelinhos mais grossos. E nada mais são, que pelos formados por queratina e bastante espessos, bem mais grossos que outros pelos que compõem o corpo do animal. Eles também sofrem queda e mudança, assim como a pelagem corporal. Os bigodes são as vibrissas da face, mas estes pelinhos mais grossos também estão presentes acima dos olhos e atrás das patinhas, perto dos dedos.

Para que servem?

A função dos bigodes é justamente tátil, ou seja, sensorial e de equilíbrio e são muito, muito, muito sensíveis a qualquer alteração no fluxo de ar. São importantes também para expressar o comportamento animal. Por exemplo, um animal agressivo poderá “eriçar” seus bigodes, assim como a mudança na posição das orelhas, é a forma como os animais se expressam. Eles servem para que o animal perceba a presença de alguém ou um possível predador. Além disso, para os gatos eles são usados com ainda mais cuidado. Os gatos são verdadeiros adoradores de seus bigodes. Eles o usam muito para andar no escuro, para ter noção de equilíbrio e principalmente, para saber se vão ou não conseguir passar num lugar estreito. É isso mesmo. Os bichanos usam seus “adereços” para medir espaços, se o bigode passa, seu corpinho também irá passar. Cães também podem usar desta “artimanha”. Espertos não?

Porque são tão sensíveis?

Os bigodes são inseridos em folículos extremamente sensíveis, cheios de terminações nervosas. E qualquer toque ou mudança no fluxo de ar, “ativa” todas estas terminações, o que transmite a mensagem ao cérebro. É um grande “ajudante” do cão, principalmente porque eles não têm a visão tão evoluída assim, então conseguem perceber alterações no ambiente, em partes desta maneira.

Posso cortar/tosar os bigodes?

Não deve. Os bigodes têm uma função e estão ali para isso. Não devemos cortar, justamente para não tiramos parte de seus sentidos. Isso poderia deixar o animal bastante confuso e com menor percepção do espaço e ambiente ao seu redor. Com essa falta de “noção”, o pet pode até sentir-se mal e ficar um pouco apático. Então já sabem: nada de tirar ou cortar as vibrissas.

Que cuidados devo ter?

Os bigodes não merecem nenhum tipo de atenção especial. Apenas devemos observar, pois uma queda em fase de troca de pelos é completamente normal e irá ocorrer algumas vezes por ano. Mas uma queda excessiva ou de todos os bigodes, ou ainda, bigodes quebrados, podem significar deficiência vitamínica ou doença de pele e que merece ser melhor investigada.

O corpo, quando não está bem, sempre dá sinais. Sejam eles sutis ou não, um tutor responsável deve estar atento ao seu cãozinho. Se você notar algumas alterações, seja no bigode ou mesmo nas vibrissas de outros locais, ou ainda perceber que seu pet anda perdendo muito pelo, é bom investigar. Consulte sempre o veterinário de sua confiança!

Gostou da matéria? Fique de olho nas próximas.

 

Larissa Salles Teixeira
CRMV/PR 11718
Cornélio Procópio – PR

 

 

1104 Visualizações

Veja também:

Inflamação-da-glândula-anal_site
Inflamação da glândula anal: o que é e como resolver?
Depoimento-de-uma-Médica-Veterinária__site
Depoimento de uma Médica Veterinária
QR Code Business Card

Pin It on Pinterest